Estou na cidade e Continuo sendo Índio



 

 

A maioria dos indígenas que vive nas cidades sofreram e sofrem discriminação e preconceito. Em muitos casos o discurso preconceituoso vem acompanhado do senso comum, “índios é o que vive na mata, que anda pelado, que não tem veículo automotivo…” enfim, esse fato foi d na cidade de Boa Vista através da Organização dos Indígenas da Cidade – ODIC, essa organização está lutando com unhas e dentes para barrar essa margem de preconceito.
O fato a questionar é : os indígenas vieram para a cidade? ou a cidade que chegou para os indígenas ? Por que assim, pois vejamos, a cidade está cercada pelas comunidades Indígenas e nela se encontram aproximadamente 30 mil indígenas. Muitos deles vindo de outros países vizinhos. Segundo o Professor Reginaldo Gomes de Oliveira, da Universidade Federal de Roraima, aqui onde é a atual Cidade de Boa Vista era uma Comunidade Indígena Macuxi, e o nome seria kuwai Krî, que quer dizer Terras de Buritizais. Essa mesma História, se repete nas reuniões da ODIC, e também nos discursos de alguns anciões de comunidades do Interior do Estado.
Então Boa Vista foi implantada em cima de uma Comunidade Indígena, e o melhor é uma Comunidade Indígena, e a maior do Estado. Pode ser dizer que a maior aldeia de Roraima é BOa Vista, sem pingo de dúvida. De acordo com a História do não-índio a cidade criou-se a partir de uma Fazenda, o que ao se questionado com alguns anciões de comunidades, eles afirmam que tinha sim uma fazenda, mais não a que se tornou Boa Vista.
O fato de eu está na cidade, usar celular, roupa, calçado, ir para a universidade, passear nas praças, não me tira a identidade indígenas, aliás eu na cidade estou apenas visitando parentes, o que significa que aqui na cidade eu me sinto como na minha comunidade, só que agora aqui é uma comunidade onde se tem vários Povos Indígenas e não Indígenas.

 

 

No tags for this post.




Clique aqui para ver todas as matérias em rascunho



8 Comentários

  1. Thiago Benevides -  

    Seria interessante perguntar a essas pessoas se um japonês perde sua identidade quando vai morar em outro país..

    12, dezembro 2011, 7:17pm  -  
  2. Raimundo Nonato Rodrigues -  

    meu bisavô era um indio, foi capturado ainda jovem e teve os seus dentes extraídos para evitar morddas, desde então teve linhagem que moram em cidades, meus alunos estranham quando defendo o povo e afirmo ser indio, no princípio, hoje alguns já se identificam por ter parentes indios, para mim é reconfortante perceber a influ~encia exercida para valorização do meu povo

    28, fevereiro 2012, 12:42pm  -  
    • Sabrynna -  

      Caro Raimundo, o importante é você fazer a sua parte, e encaminhe seus alunos ao site Índio Educa, tenho certeza que eles vão descobrir mais coisas interessantes, use este site como material pedagógico, e veja resultados….
      Saudações indígenas parente!

      28, fevereiro 2012, 1:04pm  -  
  3. Margaret Paim -  

    Olá, adorei esse site. Respeito muito os povos indígenas, no qual tenho muito carinho por alguns conhecidos na Aldeia Morro Alto em São Francisco do Sul-SC. Gostaria muito que os índios dessa região também fossem em busca de novos conhecimentos como fez essa jovem Marina Cândido Marcos, indígena Terena- estudante de geografia. Em seu texto consegui esse site. Parabéns.

    18, abril 2012, 7:13am  -  
  4. Claudia Dias Tavares -  

    Seu material está extraordinário! É incrível, adorei. Muito obrigada por tê-lo enviado.

    10, agosto 2012, 10:01pm  -  
  5. emilly -  

    o nome da comunidade

    23, abril 2013, 8:54pm  -  
  6. Tânia Regina M Costa -  

    Boa noite.

    Tenho pesquisado muito sobre a vida do índio .
    Estou montando uma peça de teatro infanto-juvenil falando deste indígena que mora na cidade e visita a aldeia.
    Falo de um indígena que ainda está no Ensino Mēdio que fará faculdade, mas, que tem suas raízes na sua cultura.
    Quero obter informações sobre: Como é ser um índio hoje?
    Farei uma aldeia fictícia, com animais, rituais e brincadeiras.
    Não quero escrever nada errado. Nem tão pouco quero mostrar um local pobre. Quero mostrar um povo que luta pela sua cultura e pelo seu povo.
    Se puderem me ajudar ficarei grata. Não irei especificar nenhuma etnia. Trabalharei com o ÍNDIO. Isto é o que importa.
    O principal aluno-ator do texto, serå um menino indígena, esta serå a temática da história
    A peça será assistida apenas pelos alunos da escola em que leciono (FITO-Osasco) e seus parentes e amigos.
    Como não falaremos de nenhuma etnia em particular, gostaria muito de ler sobre informações diversas.
    Quero escrever algo que interesse a adultos, jovens e crianças.
    Tenho algumas perguntas para fazer: E se este menino índio se apaixonar por uma menina branca? É possível?
    Bem tenho muitas dúvidas. Mas, deixarei que vcs escrevam primeiro para eu perguntar o que não for dito.
    Desde jå, muito obrigada.

    Tânia Regina M Costa
    Prof de Artes e Teatro

    04, maio 2014, 1:57am  -  
    • Sebastian Gerlic -  

      Que lindo!
      ótimo!!!
      Queremos ter copia desses materiais quando produzidos….e apoiar vc nessa bellísima aventura…
      EU gostaria que você conhece o conto DOIS IRMAOS (Ou irmãos no mundo)….que esta publicado no livro
      INDIOS NA VISAO DOS INDIOS: Kariri-Xocó veja http://www.thydewa.org/downloads

      05, maio 2014, 11:09am  -  
Comentários fechados para este post